Últimas Notícias

Educação: Brasil tem 508 escolas rurais sem infraestrutura

Publicado por Folha de Italva em 21/09/2014 | 14:49


No Brasil, 508 escolas rurais não têm condições de infraestrutura, têm baixa taxa de aprovação e muitos alunos abandonam os estudos. Nessas escolas não há sequer água filtrada. É o que mostra o estudo Escolas Esquecidas, divulgado esta semana pelo Instituto CNA, ligado à Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil,  que mapeou esses centros de ensino. A maioria está nas regiões Norte e Nordeste e é de difícil acesso.

O estudo utiliza os dados do Censo Escolar de 2012 e revela instituições que não têm biblioteca, computador, TV, antena parabólica, videocassete, DVD, água filtrada, saneamento básico ou eletricidade.  Quase 40% dos estudantes repetiram de ano e 23% abandonaram os estudos. Nas demais escolas do país, a taxa de aprovação passa dos 83%, e o abandono chega a 3,8% no ensino fundamental e a 10,2% no ensino médio. 

A maior parte dessas escolas está na Região Norte: 209 no estado do Pará e 202 no Amazonas. As demais escolas estão no Acre (36), no Maranhão (22), na Bahia (12) em Roraima (11), em Pernambuco (6), no Amapá (4), no Mato Grosso (3), no Piauí (2) e em Rondônia (1). Do total, 184 estão em terras indígenas, 44 em áreas de assentamento, oito em áreas remanescentes de quilombos e uma em unidade de uso sustentável. Grande parte é municipal.

São Gabriel da Cachoeira, município do Amazonas que faz fronteira com a Venezuela e a Colômbia, concentra 67 escolas rurais sem condições mínimas de infraestrutura, o maior número encontrado no estudo. “A zona rural é muito distante da zona urbana. Há locais em que é preciso uma semana para chegar, é preciso ir de rapeta pelos rios, passar por cachoeiras”, explica a assessora da Secretaria de Educação do município, Socorro Borges. “As escolas estão nessa situação pela dificuldade de levar material e porque não temos muito recurso.”

O município encontra também dificuldades em levar os alimentos da merenda escolar para os centros de ensino, que atendem, com exceção de dois, à populações indígenas. Socorro explica que eles contrataram uma empresa para fazer o transporte e que têm que levar alimentos enlatados, em vez de orgânicos, para que durem mais tempo.

Chaves, no Pará, tem 17 escolas que aparecem no relatório. “Essas escolas são de madeira, estão perto das margens dos rios, algumas estão interditadas porque a erosão chegou nelas”, diz o secretário de Educação do município, Edgar Quadros. A cidade fica às margens do Rio Amazonas e é frequentemente atingida pela pororoca -  grandes e violentas ondas que são formadas a partir do encontro das águas do mar com as águas do rio. “Muitas vezes comunidades inteiras têm que se mudar por causa de alagamentos e a escola vai junto.”

Segundo ele, das quase 100 escolas do município, 97 estão em zona rural. O secretário disse que já solicitou ao Ministério da Educação (MEC) ajuda para construir 43 escolas, 31 estão em processo licitatório. Também há problema em fixar os docentes. “Poucos são das comunidades. Geralmente são de fora, vêm de cidades próximas, de Belém, e ficam nas comunidades por temporadas”, diz o secretário.

De acordo com o levantamento, as escolas sem infraestrutura representam 0,7% do total de escolas públicas rurais no país que, em 2012, somavam 75,7 mil centros de ensino.

“O estudo é um alerta para o meio rural, especialmente para aquelas escolas que chamamos de esquecidas. Através dessa metodologia chegamos a 508, mas sabemos que outras escolas estão ali no limite, se houvesse uma flexibilização nos critérios, haveria um número maior de escolas [sem as condições mínimas de infraestrutura]”, diz o secretário executivo do Instituto CNA, Og Arão.

Segundo ele, as escolas rurais são muito importantes para a formação das comunidades do campo e são também um incentivo para que as famílias permaneçam na área rural. “Sem uma escola de qualidade não consigo formar, levar conhecimento e inovação, manter essas pessoas no campo”, acrescenta Arão.

O MEC diz que desde 2012, com o Pronacampo, tem intensificado ações voltadas para as escolas rurais, enviando recursos aos estados e municípios e às próprias escolas. Além disso, também desde 2012, reúne-se com 80 municípios, que são os que concentram a maior parte das escolas rurais, buscando uma gestão mais próxima, discutindo formação de professores, possibilidades de financiamento e de apoio às escolas do campo.

Segundo a secretária de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão, Macaé Evaristo, 46% das escolas apontadas no estudo estão em municípios que fazem parte desse grupo. “Nenhuma criança nesse país pode ficar sem atendimento escolar. No campo é preciso atenção redobrada, independentemente do lugar que a criança nasceu, tem que ter acesso à educação e educação de qualidade”, diz a secretária.


Morte de macaco faz 200 pessoas rasparem a cabeça na Índia


Aproximadamente 200 pessoas de um vilarejo indiano rasparam suas cabeças em luto pela morte de um macaco que ficava no templo hindu local. O animal se afogou em uma lagoa enquanto fugia da perseguição de cachorros.

Com receio de que sua morte traga má sorte à população local, os moradores fizeram uma procissão funerária e cremaram o macaco de acordo com o ritual hindu.

Outros 700 habitantes do vilarejo também rasparam suas barbas. Os macacos são considerados sagrados pelos hindus e há templos dedicados ao deus macaco Hanuman por toda a Índia.

Hanuman geralmente é representado com um corpo humano, um rosto vermelho de macaco e um rabo. Seus seguidores acreditam que adorá-lo os liberta do medo e do perigo.

'Muito agourento'

O macaco morto era parte de um casal que vivia próximo a um templo dedicado à Hanuman no vilarejo de Dakachya, no Estado indiano de Madhya Pradesh. Ele se afogou no dia dois de setembro e seu corpo foi descoberto por moradores no dia seguinte.

"Os mais velhos disseram que a morte de um macaco dentro da comunidade é algo muito agourento. Tivemos medo de que nos trouxesse má sorte, alguma calamidade natural", disse Mithun Patel, morador de Dakachya. "Então decidimos apaziguar a alma do macaco para garantir que nada aconteceria a nosso vilarejo."

Depois que o macaco foi cremado, os homens locais rasparam suas cabeças e barbas em sinal de luto. Um grupo de moradores também viajou até a cidade sagrada hindu de Haridwar para jogar as cinzas do macaco no rio Ganges.

O início das festividades de 11 dias para rezar pela alma do macaco foi adiado para um domingo para que as crianças também pudesse participar, segundo Patel. Milhares de moradores de vilarejos próximos também compareceram.

O evento custou cerca de 150 mil rúpias (R$ 5.800) a Dakachya. O dinheiro foi conseguido com doações dos moradores.

BBC Brasil

Hamilton vence de ponta a ponta no GP de Cingapura e Massa chega em quinto


Mais uma vez o GP de Cingapura foi de muita emoção, exigindo de equipes e pilotos muita competência e perícia. Lewis Hamilton, da Mercedes, contou neste domingo (21/09) com tudo isso, sem dizer que contou com a sorte, já que seu companheiro de equipe Nico Rosberg teve um problema logo de cara que o tirou da disputa. Uma falha eletrônica deixou o carro do alemão parado no grid no momento da volta de apresentação; levado aos boxes, ao menos largou. Já o brasileiro Felipe Massa soube parar na hora certa, contou com a competência da equipe nas trocas de pneus e soube poupar o equipamento até o final da corrida ficando em 5º.

Hamilton caminharia para uma vitória mais do que tranquila não fosse a entrada do safety-car na metade da corrida. Um toque entre Adrian Sutil e Sergio Perez forrou a pista de detritos de carro, e o inglês perdeu toda a vantagem que tinha para as Red Bull e Alonso, tendo de parar mais uma vez para trocar os pneus. Passou a ter de andar em ritmo de classificação com calçados desgastados. A oito voltas do fim, foi aos pits e retornou atrás de Sebastian Vettel. Não levou mais do que duas voltas para retomar a primeira posição.

Com os 25 pontos, Hamilton assumiu a liderança do Mundial de Pilotos, algo que só havia conseguido depois do GP da Espanha, o quinto da temporada. A vantagem sobre Rosberg é de meros 3 pontos.

Vettel, então, acabou na segunda colocação e Daniel Ricciardo, que comboiou o parceiro durante a corrida toda. Fernando Alonso, com uma rapidíssima Ferrari, chegou logo atrás. Felipe Massa não tinha o ritmo dos ponteiros e fez o que pôde, conduzindo a Williams ao quinto posto.

Confira como foi o GP de Cingapura de F1

Primeiro de tudo, o carro de Rosberg parado no grid deu um novo indício de que a sorte de Hamilton de fato mudou desde o incidente entre os dois em Spa-Francorchamps. Já se observava desde a saída para o grid que o alemão tinha algum tipo de problema, e isso se confirmou quando foi dada a liberação para a volta de apresentação e aquecimento de pneus. Seu carro foi levado para os boxes.

O tal giro também apresentou um segundo problema: o pobre Kamui Kobayashi parou com o paupérrimo carro da Caterham em uma das vielas do circuito de rua, nem largando, pois. Uma fumaça no carro apontava para um problema de motor.

Na largada em si, Hamilton se manteve na ponta sem muitos problemas enquanto Vettel, com caminho livre à frente, emparelhou com Ricciardo e levou a segunda posição na freada da curva à esquerda. Em paralelo, Alonso tentou dar o bote e passou reto na área de escape. Na sequência, devolveu o posto, mas apenas para Vettel. A direção de prova achou tudo normal.

Mais atrás, Räikkönen passou Massa, que chegou a perder posição para os dois carros da McLaren. Mas a agressividade inerente de Kevin Magnussen com o próprio companheiro levou ambos a escaparem em uma determinada curva, deixando o caminho livre para a retomada do sexto lugar para o brasileiro.

Enquanto isso, Rosberg denotava ter vida difícil: suas marchas pulavam do nada, e o jeito era andar no ritmo de Caterham ou Marussia.

A Red Bull avisou a Ricciardo que seus freios dianteiros estavam muito quentes. “Parte nosso coração pedir isso”, foi o que precedeu o pedido para ficar longe do vácuo. Na era das mensagens limitadas, foi algo tocante. Logo depois, a Toro Rosso avisou Jean-Éric Vergne que Daniil Kvyat atacaria Magnussen. Aí já parecia impróprio. Mas a FIA deixou passar.

Com dez voltas, já dava para dizer que Rosberg não iria muito longe. O líder do campeonato ainda estava na 19ª colocação, atrás de Marcus Ericsson. O carro simplesmente não acelerava, claramente com problemas graves no sistema eletrônico.

O primeiro dos ponteiros a parar foi Massa, que acabou levando a posição de Räikkönen. Na volta 14, foi a vez do líder Hamilton ir aos pits, colocando como todos mais um jogo de pneus supermacios, sem problemas ou dores de cabeça. No giro seguinte, foi a vez de Rosberg.

Bom, Rosberg sequer conseguia colocar o carro em ponto morto. Os mecânicos trocaram o volante, central do sistema eletrônico do carro, mas não resolveu. Ligou, desligou, religou, nada feito, e foi melhor parar.

Outro que não teve sorte grande foi Gutiérrez: com problemas elétricos na unidade de força, acabou parando. E não muito feliz: ao descer do carro da Sauber, arremessou suas luvas longe no canto dos boxes. Deu um piti digno de tragicomédia mexicana — ou Chaves.

Com o andar da carruagem, a Red Bull percebeu que Vettel não conseguiria competir com Hamilton e pediu ao alemão que administrasse seus pneus e o consumo de combustível. Enquanto isso, Alonso começava a se aproximar para tentar brigar pelo segundo lugar.

A volta 23 marcou o início da segunda parada nos boxes, e Massa foi quem a abriu, pondo pneus macios. Na jogada dos pits, Vettel parou depois de Alonso, permitindo ao #14 assumir a terceira colocação. Hamilton fez uma parada de 4s7, lenta, com a Mercedes buscando uma sujeira na asa dianteira direita. Ainda assim, o inglês voltou sem maiores dramas — coisas de quem tinha gordura para queimar.

Hamilton, então, resolveu que era a hora de andar rápido e fez a volta mais rápida da prova em dois giros consecutivos: 1min51s405 passou a ser o melhor até então.

Duas passagens depois, na 31, a câmera mostrou a frente de Pérez estraçalhada. Foi na disputa com Adrian Sutil, depois do mexicano parar nos boxes. O piloto da Sauber espremeu o da Force India, houve o choque e gerou detritos para tudo que fosse lado. O safety-car foi acionado.

Antes que o carro de segurança entrasse na pista, Alonso trocou supermacios por macios, encurtando sua seção entre as paradas dois e três. O espanhol, então segundo, voltou para a quarta colocação, mas com pneus mais novos. A Mercedes resolveu deixar Hamilton na pista, bem como a Red Bull com sua dupla.

A relargada veio na volta 38, e Alonso era quem tinha os pneus mais novos entre os primeiros colocados. Hamilton, de supermacio, teria de parar mais uma vez. Sabendo disso, logo virou 1min50s417.

Enquanto Alonso começava a atacar Ricciardo pela terceira colocação, Vettel não conseguia seguir o ritmo de Hamilton. No giro 45, o britânico já colocava 17s3 de diferença, mesmo com pneus supermacios já gastos.

Pela sexta posição, Jenson Button começou a atacar fortemente um Valtteri Bottas que tinha problemas hidráulicos. E Kimi Räikkönen, colado no britânico, tentava se aproveitar. A briga pela P6 deixava Massa abrir na quinta colocação, ficando numa corrida só dele. À frente, os quatro primeiros já estavam bem distantes. No entanto, com pneus já utilizados por 27 voltas — quando o 50º giro chegou —, o piloto da Williams já não conseguia rodar abaixo de 1min55s.

Na briga pela frente, a volta 50 contou com Alonso andando 1s mais rápido que Vettel e 0s2 melhor que Ricciardo. Na 51, tanto o espanhol quanto o australiano eram mais rápidos que o alemão, mas não o ameaçavam propriamente. Com 25s2 de frente, Hamilton parou rapidamente na 52 para trocar um jogo de pneus que já durava 30 voltas. O trio de frente se aproximava, mas o trabalho da Mercedes mandou o britânico de volta à pista atrás apenas de um Vettel de pneus já bem velhos.

Logo na volta 54, Hamilton passou por Vettel sem dar qualquer chance de apelo, acalmando uma situação que chegou a parecer dramática.

Ainda no ataque a Bottas, Button viu seu sistema eletrônico dar pane, sendo obrigado a encostar o carro e encerrar seu dia. O campeão de 2009 conseguiu parar a McLaren em lugar seguro, evitando mais uma entrada do safety-car.

Então, a direção de prova subiu o relógio para um GP de Cingapura que acabaria pelo relógio. Duas horas completadas, e Hamilton pôde dar a volta derradeira. Corrida absolutamente irretocável do novo líder do Campeonato Mundial de F1. Agora, são 241 pontos de Hamilton contra 238 de Rosberg.

Vettel conseguiu se segurar no segundo posto sem ser realmente atacado apesar da distância muito pequena para Ricciardo e Alonso, terceiro e quarto colocados, respectivamente. Massa, em grande corrida, conseguiu manter seu jogo de pneus por 37 longas voltas e encerrou no quinto lugar.

Vergne terminou no sexto lugar, mas com uma punição de 5s na bagagem por exceder os limites da pista em disputa de Maldonado, caiu para nono. Pérez herdou o sexto, Räikkönen, o sétimo, e Hülkenberg, o oitavo. Magnussen encerrou o top-10. Bottas, que na última volta acabou escapando com um carro impraticável de ser guiado, caiu para o 11º posto.

A F1 volta em duas semanas, dia 5 de outubro, com o GP do Japão.

Veja a classificação completa do GP de Cingapura:

1. Lewis Hamilton (ING/Mercedes)
2. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull)
3. Daniel Ricciardo (AUS/Red Bull)
4. Fernando Alonso (ESP/Ferrari)
5. Felipe Massa (BRA/Williams)
6. Jean-Éric Vergne (FRA/Toro Rosso)*
7. Sergio Pérez (MEX/Force India)
8. Kimi Räikkönen (FIN/Ferrari)
9. Nico Hulkenberg (ALE/Force India)
10. Kevin Magnussen (DIN/McLaren)
11. Valteri Bottas (FIN/Williams)
12. Pastor Maldonado (VEN/Lotus)
13. Romain Grosjean (FRA/Lotus)
14. Daniil Kvyat (RUS/Toro Rosso)
15. Marcus Ericsson (SUE/Caterham)
16. Jules Bianchi (FRA/Marussia)
17. Max Chilton (ING/Marussia)
*sofreu punição e deve perder posições

Não completaram: Jenson Button (ING/McLaren), Adrian Sutil (ALE/Sauber), Esteban Gutiérrez (MEX/Sauber), Nico Rosberg (ALE/Mercedes), Kamui Kobayashi (JAP/Caterham)


MSN

"Poderio ofensivo do Fluminense é muito forte": Diz João Paulo do Fla

Publicado por Folha de Italva em 19/09/2014 | 18:23

Cícero, Darío Conca, Wágner, Rafael Sobis, Fred e outras opções. O Fluminense tem um elenco muito forte, principalmente do meio-de-campo para frente e isso tem sido motivo de preocupação para seus adversários. Não é diferente com o Flamengo, que já pensa em uma maneira de neutralizar as virtudes do rival no clássico entre os dois, neste domingo, às 16 horas, no Maracanã, no Rio de Janeiro, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Os jogadores do Flamengo entendem que a qualidade do adversário é algo que precisa ser respeitado e reconhecido na luta por mais uma vitória na competição. Na visão do zagueiro Wallace, o Tricolor precisa ser bem marcado. “É importante reconhecer as virtudes de um adversário, pois isso é o primeiro passo para que a gente conquiste um resultado positivo. O Fluminense é realmente muito forte ofensivamente. Conca, Wágner, Rafael Sobis são jogadores de qualidade, o Cícero chega muito bem na frente, o Fred é um artilheiro. Isso sem falar de boas opções no banco, como o Walter. Trata-se de um elenco em condições de brigar pelo título e que pode exigir muito de nós no domingo. Portanto, precisamos manter o nível de concentração ao longo dos noventa minutos”, avaliou o defensor.

O lateral esquerdo João Paulo reforça o discurso do companheiro e pediu atenção durante os 90 minutos de jogo: “Não dá para não reconhecer que o Fluminense tem muita qualidade e por isso está brigando pela vaga na próxima Copa Libertadores, algo que ainda queremos poder disputar nesta edição do Campeonato Brasileiro. O time deles é forte, tem boas peças de reposição e atletas em condições de decidir o confronto em um único descuido de nossa parte. Portanto, é fundamental que o Flamengo consiga manter as atenções ao longo dos noventa minutos”, analisou João Paulo.

Na visão do atacante Alecsandro, o empate por 2 a 2 com o Palmeiras, no meio de semana, na capital paulista, deve servir como base de algumas lições para que o Flamengo consiga neutralizar o Tricolor.

“Vamos precisar manter a concentração e o foco ao longo dos noventa minutos. Contra o Fluminense, infelizmente, deixamos o adversário dominar as ações no segundo tempo e acabamos castigados por isso. Diante do Fluminense, por ser um clássico, um descuido como esse pode custar ainda mais caro e é isso que eu pretendo evitar. O Fluminense é um adversário muito perigoso, conta com um poderio ofensivo muito forte e boas opções na frente. Portanto, precisamos estar sempre atentos”, afirmou o atacante.

Em termos de escalação o Flamengo tem um problema. O volante Héctor Canteros vai cumprir suspensão por ter sido advertido com o terceiro cartão amarelo contra o Palmeiras. Assim, Luiz Antonio assume o posto. No mais, o restante da equipe terá a mesma formação do choque com Verdão e será: Paulo Victor, Leonardo Moura, Chicão, Wallace e João Paulo; Victor Cáceres, Márcio Araújo, Luiz Antonio e Everton; Eduardo da Silva e Alecsandro. Neste sábado pela manhã o elenco participa de um treino na Gávea e depois começa o período de concentração.

Fora de campo a diretoria acertou para que o meia Dioguinho, de 17 anos, faça testes no clube. O jogador ficará nas categorias de base. Ele vem se destacando pelo Americano-RJ, que disputa a Segunda Divisão do Campeonato Carioca.

Eike Batista vira meme nas redes sociais


Nesta sexta-feira(19), Eike Batista explicou por meio de seu perfil no Twitter que foi mal interpretado quando falou sobre “voltar à classe média” em uma entrevista à Folha de S. Paulo. Apesar de garantir que não estava fazendo uma analogia à sua atual situação financeira quando fez a declaração, o empresário virou alvo dos usuários das redes sociais.

No Twitter, além de inspirar a hashtag #EikeClasseMedia, utilizada nas mais diversas piadas sobre o assunto na última quinta-feira, o “drama” de Eike Batista também foi transformado em memes, nos quais o empresário aparece vivenciando momentos de pobreza.






Irã condena jovens a prisão e chicotadas por dançar "Happy"

Um tribunal do Irã condenou seis jovens a chicotadas e penas de prisão por gravarem um vídeo dançando ao ritmo de "Happy", música de Pharrell Williams, informou a Campanha Internacional de Direitos Humanos no Irã, uma ONG com sede nos Estados Unidos.

O site da ONG assegura que os jovens foram julgados nesta semana. Eles foram acusados de "participar da produção de um vídeo vulgar" e "manter relações ilícitas". A condenação pela corte e de seis meses de prisão e 91 chicotadas para cada um - exceto uma das participantes, Reyhaneh Taravati, que teria sido condenada a um ano de prisão.

O grupo foi detido no último mês de maio depois que o vídeo, considerado provocador segundo os padrões morais da República Islâmica, se espalhou pela internet. Nele, os seis aparecem cantando alegremente a popular canção do cantor americano em terraços e ruas de Teerã e no interior de uma casa.

As meninas não usam o lenço com o qual obrigatoriamente todas as mulheres devem cobrir seu cabelo nem a capa sobre a roupa para ocultar suas formas e tapar suas nádegas, coxas e pernas.

Além disso, dançavam com os homens, uma violação do mais estrito código de comportamento islâmico que as autoridades iranianas tentam fazer respeitar no país, sobretudo na esfera pública.

Sob fiança

Um dia após a detenção foram postos em liberdade pagando uma fiança, à espera de julgamento. Na ocasião, a polícia confiscou seus telefones celulares, computadores e outros artigos pessoais.

Além disso, dois dos jovens compareceram na rede de televisão estatal "IRIB" para mostrar seu arrependimento por ter participado da gravação e assegurar que tinham sido enganados.


No programa também apareceu o chefe da polícia iraniana, Hoseyn Sayedinia, que advertiu aos que pretendam fazer vídeos similares que "serão identificados e se atuará contra eles".


Cursos PLANTEQ já é uma realidade no município de Italva


Na busca por uma colocação no mercado de trabalho ou por uma forma de geração de renda, os cursos de Qualificação Social e Profissional se tornam uma importante ferramenta. É o caso dos cursos do Plano Territorial de Qualificação (Planteq) que estão sendo oferecidos pela Prefeitura Municipal de Italva através da Secretaria de Assistência Social em parceria com o Governo do Estado.

O entusiasmo com a iniciativa dos cursos pode ser observado entre os alunos que no momento estão em busca de uma colocação no mercado de trabalho.



Entre os instrutores dos cursos, também há elogios à iniciativa da Prefeitura de Italva em oferecer os cursos Bombeiro Hidráulico, Eletricista Industrial, Auxiliar Administrativo e Soldador. “Achamos importante a parceria. Já participei de outros cursos e isso é importante porque trabalha a questão social. Há muita gente sem emprego. E trabalhamos essa questão também”, afirma a Professora que foi contratada pelo PLANTEQ para ministrar as aulas.

“Empregar os jovens é prioridade do Governo. Queremos fazer os cursos para que as pessoas, após a conclusão da Qualificação, tenham a possibilidade real de conseguir trabalho, emprego e renda”, afirmou a secretária Cristina Rios em uma de suas visitas às turmas dos cursos de Qualificação Social e Profissional do Planteq.

Netropolitan: Conheça a nova rede social para $ricos$

Pessoas com a conta bancária recheada já podem migrar para uma nova rede social que promete mais "exclusividade": a Netropolitan. A taxa de inscrição do site é, nada mais, nada menos, que US$ 9 mil (cerca de R$ 21 mil). Após o primeiro ano, a anuidade cai para US$ 3 mil (aproximadamente R$ 7 mil).

Lançado na última terça, 16, o serviço é inacessível para pessoas não inscritas e está fora das ferramentas de busca. Além disso, anúncios só são permitidos em grupos específicos, como de negócios, com regras rígidas. A privacidade também é algo importante na Netropolitan. De acordo com a rede social, número de usuários inscritos e celebridades no site não serão revelados.

O objetivo, é, segundo a companhia, "conhecer indivíduos que pensem igual a você ao redor do mundo que compartilhem seu estilo de vida e interesses".

O Netropolitan afirma ainda é que é "monitorado continuamente pelos próprios moderadores da companhia, garantindo prontamente a ajuda e uma experiência agradável e cortês para todos".

Atualmente, o Netropolitan está disponível somente para versão web e navegadores mobile, contudo, a empresa afirma que em breve deve lançar apps para Android e iOS. Para entrar na rede social, é preciso ter 21 anos.

Agências de Notícias
 
Suporte : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. Folha de Italva - Todos os direitos reservados
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Tecnologia Blogger